Post Icon

Mary Poppins

P. L. Travers

 
 
Olá Pessoal, tudo bem?
 
Continuando as comemorações da Semana das Crianças hoje vamos conversar sobre um clássico infantil da Era de Ouro da literatura infantil inglesa, entre final do século XIX e inicio da primeira guerra mundial, que conta com obras tais como Alice, Peter Pan e Mary Poppins.
 
A família Banks é uma respeitável família britânica com pai, mãe e quatro filhos (Jane, Michel e os bebês gêmeos - John e Barbara) nem tão endinheirada assim, mas com uma situação suficientemente tranquila para ter uma babá respeitável para ficar responsável pela educação dos filhos, porém eles tem um problema, as babás parecem não parar na casa deles e depois de que a última babá deixa a casa, surge a misteriosa Mary Poppins trazida pelo vento leste.
 
Mary Poppins é uma misteriosa mulher, da qual, nada sabemos sobre o passado e que não aceita ser contrariada ou desobedecida pelas crianças, ela possui uma mágica que leva as crianças a viver grandes e inexplicáveis aventuras, aliás, inexplicável é a palavra, uma vez que, em nenhum momento no livro a mágica ou as situações são explicadas, não sabemos que tipo de criatura é Mary Poppins, apenas na palavra de um pássaro ela é a grande exceção, não sabemos o porquê da sua chegada ou da sua partida, apenas sabemos que ela vive ao sabor do vento.
 
Para falar a verdade eu não gostei tanto da história a Mary Poppins é muito egocêntrica, autocentrada e chata com as crianças e não sei as histórias não me chamam tanto a atenção assim.
 
A minha é aquela edição linda da Cosac Naify que tem a lombada exposta e ilustrações do Ronaldo Fraga, que foram bordadas e fotografadas para o livro e os fios soltos são para combinar com a história que possui muitos fios soltos também.
 
Livro: Mary Poppins
Autor: P. L. Travers (Tradução: Joca Reiners Terron)
ilustrador: Ronaldo Fraga
Editora: Cosac Naify
190 páginas

 
Além do livro assisti ao filme de 1964 com a Julie Andrews e Dick Van Dyke que é um musical cheio de fantasia e naquele estilo de filme antigo com musicas e danças incríveis.
O filme é bastante diferente a Mary é bem mais legal, fofa e gosta de se divertir com as crianças, no filme também há uma moral com a restituição da unidade familiar. Com relação ao enredo, existe a fusão de alguns episódios e o personagem do Bert tem muito mais destaque do que no livro.

Na verdade, eu gostei mais do filme do que do livro, principalmente com relação a própria personagem da Mary Poppins.

Assisti também o filme Walt nos bastidores de Mary Poppins de 2014 com Tom Hanks (Walt Disney) e Emma Thompson (Pamela Travers) que conta a história da negociação para que o filme da Mary Poppins fosse produzido. P.L. Travers recusava a entregar os direitos para que Disney fizesse o filme porque tinha medo que ele criasse uma obra que descaracterizasse a sua amada personagem tornando um de seus desenhos "bobos",  no entanto, uma crise financeira faz com que ela passe a aceitar essa ideia. Acompanhamos esse embate artístico entre essas duas pessoas determinadas e de certa forma teimosas, enquanto, conhecemos um pouco da história da infância da Pamela entendo a inspiração da Mary Poppins (que tem muito da própria Pamela) e da família Banks. O filme é excelente, principalmente, se você conhece a história do próprio Walt, relatada no filme Walt, antes do Mickey, super recomendado.


Por hoje é isso,

Até a próxima,

Dani Moraes

Nas redes sociais:
Nós sigam também nas redes sociais: Facebook, Twitter (danipmoraes), Instagram (danimoraes02) e Snapchat (danielapmoraes).

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

2 comentários:

Lígia Barros disse...

Que pena que não gostou do livro. Tenho curiosidade em ler Mary Poppins desde que a Cosac lançou essa edição lindinha, mas não tenho grandes expectativas em relação à história. :P

As verdades que o pinoquio conta disse...

Lígia,
Não é que eu não tenha gostado, mas acho que eu esperava mais dessa história, mas achei que valeu a pena conhecer.
Bjus,

Dani Moraes

Postar um comentário